A Lara fala sobre Vanuatu

18 de junho de 2016 por Lara Victor
Ainda bem que as toalhas serviram pra alguma coisa.

Este é o primeiro post que escrevo na minha, ainda curta vidinha, confesso que doeu na minha alma largar meu I Pad e todos os grupos do Whats App para me sentar e escrever, mas é engraçado como depois que comecei, o negócio começou a fluir.

A minha mãe começa a fazer nossos planos de viagem de férias em Abril para viajarmos só em Dezembro, parece muito tempo, mas os detalhes são tantos, vejo que ela lê e relê livros, sites, blogs e o Trip Advisor nem se fala…alguns lugares que já fui não me lembro muito bem, outros não saem da minha mente.

Ela está sempre tentando achar lugares interessantes para levar a gente, tentando agradar a todos, na maioria das vezes ela acerta em cheio, mas as vezes até ela erra.

Um bom exemplo de erro foi nas minhas férias do sexto ano, Vanuatu, a culpa não foi muito dela, pois chegamos a Port Villa (Capital de Vanuatu) a bordo de um navio de cruzeiros, que foi muito bom mas este porto em especial foi horrível, o fato de estar chovendo e acho que também  compramos a bordo um passeio errado, foram ingredientes perfeitos para eu detestar o lugar, não recomendo e explico porquê:

Nosso Navio de Cruzeiros no Porto da Capital de Vanuatu
Nosso Navio de Cruzeiros no Porto da Capital de Vanuatu

Assim que desembarcamos tem sempre uma galerinha cantando Reggae, incrível, mas acho que todas as ilhas querem ser a Jamaica, talvez porque eles nunca tenham ido até a Jamaica, eles acham que é grande coisa, mas eu já fui e posso garantir…virar Jamaica não é o caminho!

Somos sempre atacados como por uma infinidade de pessoas oferecendo uma infinidade de passeios, dá pra ficar tonto. Meu pai decidiu então que deveríamos pegar um táxi e fazer um City Tour pela ilha até a hora do passeio que havíamos comprado a bordo.

O asfalto é ruim até o centro que tem um mercado, muito colorido mas com um cheirinho nada agradável, por conta dos caranguejos e lagostas vivas a venda já nas primeiras bancas, minha mãe se pudesse tinha comprado todos, ela ama estas coisas.

A cidade mais parecia com Ubatuba na época do meu bisavô Alfredo. O comércio bem ruim, na avenida principal havia algumas lojinhas, um banco, alguns cafés e um supermercadinho, chegamos até uma certa altura dela e decidimos voltar pois o asfalto já havia acabado. Não levamos mais que 2 horas para ver e rever tudinho rsrs.

 O Mercado de Por Vila até que era arrumadinho
O Mercado de Por Vila até que era arrumadinho

 

DCIM100GOPROGOPR0138. GOPR0135 GOPR0134

 

Voltamos então para o porto pois nosso passeio sairia em breve,  minha mãe nunca perde a esperança de ver algo incrível e meu pai de que o tempo melhore.

Bem, não foi bem isso que aconteceu, saímos de barco com a esperança de fazermos nosso primeiro mergulho de snorkel em família da temporada. A bordo de uma Scuna partimos em direção ao maior temporal em alto mar que já vi, em minutos ficou noite e as toalhas que levamos para usarmos quando saíssemos da água serviu para fazer a água sair da gente, a chuva vinha em todas as direções e o barco chacoalhava sem parar. Não tive medo pois meus pais e a tripulação pareciam bem tranquilos.

A bordo do Barco que nos levou até a tempestade e depois voltou.
A bordo do Barco que nos levou até a tempestade e depois voltou.

Passada a tempestade, que quando se está em alto mar mais parece um furacão, chegamos ao lugar que mergulharíamos mas o mar estava tão batido, com correntezas tão fortes que as outras pessoas, meus pais e o rapaz que não parava de vomitar lá no fundo do barco,  decidiram que não seria seguro mergulharmos ali.

Ainda bem que as toalhas serviram pra alguma coisa.
Ainda bem que as toalhas serviram pra alguma coisa.
GOPR0153
Quase todo mundo se escondeu, menos meu pai.

 

O barco então começou a viagem de volta ao porto, fiquei com medo da minha mãe querer voltar naquele mercado, mas Graças a Deus ela não teve nenhuma outra idéia que não fosse voltar ao navio.

Depois da tempestade
Depois da tempestade

De volta ao porto, tinham varias barraquinhas vendendo todo tipo de suvenir, mas aí foi impossível convencer minha mãe a não parar e claro comprar. A pessoa que nos atendeu não estava muito afim de vender, mas mesmo assim ela comprou 2 mascaras, nem quero imaginar se o vendedor estivesse num dia bom rsrs.

A bordo devolveram o dinheiro do passeio que não aconteceu, mas mesmo assim perdemos o dia em Vanuatu e eu ganhei alguma horas brincando em volta da piscina com os amigos que fiz a bordo.

Fazer amigos...tudo de bom!
Fazer amigos…tudo de bom!

Se você gostou do meu post comenta aí… eu já vi muita coisa na minha curta vidinha, como disse não lembro assim tão bem de tudo a ponto de dar um post, mas pra tudo que me lembro tenho uma opinião!

Um beijo,

Larinha

 

 

Comentários

comentários